sexta-feira, 2 de março de 2012

Palavra: Um Poema Supérfluo















Deturpadas palavras más
que dicionários vão engolir,
poemas supérfluos hão de exibir
todas as palavras. Mas...

O abdômen, inimigo do homem,
e a barriga, aquela nossa amiga,
estão na maior briga
por causa de um nome.

O nome: substantivo desconhecido,
de pai e mãe abstratos.
Muitos nomes, muitos retratos,
de fome e de povo subdesenvolvido.

Nome feio equivale a palavrão:
Paralelepípedo, inverossimilhança...
Mas, nome feio para a criança
é aquele que não se pode dar não.

Grito: rimas! Rimas à mão cheia!
Com as mãos cheias de calos.
Brigo, xingo, ofendo os cavalos:
sou louco... Sou louco não, creia.

A.J. Cardiais
06.02.1990
imagem: google

Poema do livro Escrevendo Para Crianças